Centro de Dança do DF reabre dia 28 de fevereiro 21/02/2018

No dia 28 de fevereiro de 2018, às 19h, o Governo do Distrito Federal, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, reabre o Centro de Dança do DF, com solenidade que contará com a presença do governador Rodrigo Rollemberg, do secretário Guilherme Reis, de autoridades e representantes da dança na capital.

Com valor aproximado de R$ 3,2 milhões, financiados pela Terracap (Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal), a ampla reforma do Centro incluiu reinstalação de piso com materiais próprios para prática de dança, reforma da fachada, construção de banheiros, renovação de sistemas elétrico e hidráulico, troca de sistema de para-raios, adequações para garantir acessibilidade, melhorias na ventilação, entre outros aperfeiçoamentos. O Centro de Dança oferece cinco salas destinadas às práticas corporais; sete salas para práticas de produção, gestão e reflexão teórica; videoteca; jardim interno, salão de estar e cozinha.

De acordo com o secretário Guilherme Reis, a Secult inicia, assim, o processo de devolução de espaços culturais que estavam fechados desde antes do início da atual gestão. “Vamos devolver à população não apenas um espaço revitalizado, mas também uma nova visão de gestão, com participação de entidades da sociedade civil, ajudando a dinamizar o espaço, sem perder a possibilidade de acolher as propostas de toda a comunidade. O Centro de Dança está aberto a todos os estilos e gêneros de dança, reconhecendo o que há de tradicional e, ao mesmo tempo, olhando para o futuro, para o que virá de novas gerações ocupando aquele espaço”, explica o secretário.

A gestão da programação do Centro de Dança será conduzida pela Secretaria de Cultura, em parceria com uma organização da sociedade civil – a Conexões Criativas, associação selecionada por meio de chamamento público realizado em 2017. A colaboração é baseada na Lei Federal 13.019/2014, conhecida como Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC), está integrada ao programa “Lugar de Cultura” e alinhada à Política de Estímulo e Valorização da Dança do DF, publicada em agosto passado, após amplo diálogo com a sociedade civil.

O objetivo desta parceria é promover a programação do espaço, sua ocupação e dinamização, estimulando a pesquisa e a criação. A proposta é fomentar a produção, promoção, difusão e internacionalização de obras e artistas, e fortalecer a cadeia produtiva da dança, com vistas ao desenvolvimento do setor. As atividades terão caráter de formação, processos criativos, manutenção, qualificação, inovação, acesso à produção, intercâmbios artísticos, com a participação ativa da comunidade, portas abertas ao público e presença de agentes convidados, nacionais e internacionais, de reconhecida atuação.

Durante o ano de 2018, com orçamento total de R$ 600 mil para 10 meses de ação, a associação ficará responsável pela cogestão das atividades. Ao longo deste período, convocatórias públicas permitirão a ocupação dos espaços do Centro de Dança. Também serão desenvolvidas programações em três linhas curatoriais que compõem módulos a cada média de três meses: “Dança e memória”, “Dança e diversidade”, a partir de junho; e “Dança e infância”, a partir de setembro.

Na noite de reabertura do Centro de Dança do DF e ativação da programação, serão oficialmente lançadas as primeiras convocatórias públicas de ocupação do espaço. Artistas do Distrito Federal celebram com dança este momento, em performances variadas. Será também aberta a exposição fotográfica “A história que se dança”, que ficará aberta a visitação até o mês de junho. Trata-se de uma mostra com cerca de 30 fotos de artistas e grupos que vêm construindo a cena da dança do DF, a partir do acervo da exposição sobre os 45 anos da Dança no DF, organizada por Marconi Valadares e Yara de Cunto, convidados a revisitar essa coleção.